Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-ParceirosParceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-ParceirosParceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-ParceirosParceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-ParceirosParceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-ParceirosParceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-ParceirosParceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-ParceirosParceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros-Parceiros
[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

O stress influencia na adaptação ao treinamento
Compartilhe! Telegram Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

sexta-feira, 17 de setembro de 2021 - 11:39
runner stressedVamos começar com um exercício de pensamento. Lembre-se: o cérebro queima muitas calorias, então certifique-se de ter um pouco de sorvete de chocolate à mão para reabastecer seus estoques de glicogênio depois.

Imagine uma corrida em que você sai e se diverte na floresta por uma hora, deixando seu corpo fluir nas descidas e forçar um pouco nas subidas. Você volta com o brilho pós-treino composto de suor, alegria e um pouco de muco disperso. Foi uma grande corrida, certo?

Agora imagine alguns outros cenários, como se estivéssemos conduzindo um estudo científico imaginário. No grupo de controle, o corredor fica sem vigilância, exibindo um pulso escandalosamente nu. Em outro grupo, o corredor usa um relógio GPS, faz upload do arquivo ao final e fica consternado por estar 42 segundos mais lento em seu melhor tempo ao subir uma colina, com um ritmo geral mais lento do que o esperado.

Esses atletas fizeram a mesma corrida, mas um está relaxado e o outro desanimado. Voltaremos ao motivo disso em um segundo. Antes, imagine mais um grupo, esse com atleta que tem um relógio que marca segmentos de kms. No primeiro quilômetro, o GPS emite um bipe e vibra. Ele olha para baixo e vê... merda, 10 segundos mais lento do que ele achava. Esse corredor se vira e vai para casa.

Todos os três corredores chegaram com a mesma fisiologia naquele dia. Entretanto, o terceiro corredor se desenvolverá menos após a corrida mais curta.

Aqui está a parte realmente legal: uma área em desenvolvimento da teoria do treinamento indica que o corredor relaxado pode se adaptar mais positivamente do que o corredor desanimado, embora tenha sido submetido ao mesmo estímulo. Além disso, o estresse que eles levaram para o treino pode mudar a forma como eles treinam e se adaptam.

O estresse é a tela na qual os atletas pintam seu treinamento. Se a tela estiver alagada (ou pegando fogo), é difícil pintar a Mona Lisa.

O cérebro e o sistema nervoso podem ser tão importantes quanto coração e pulmões

Para resumir parte do trabalho do pesquisador e treinador John Kiely, o contexto neurobiológico do treinamento é importante, muitas vezes de maneiras não lineares e difíceis de prever. O estresse pode causar mudanças de longo prazo nos processos de adaptação dos níveis celulares aos sistêmicos. Essa forma de pensar vai contra a forma como tradicionalmente visualizamos causa e efeito.

Veja a engenharia de pontes, por exemplo. Calcular a carga máxima é uma equação física. Na verdade, não importa como a ponte se sente naquele dia.

E se, em vez disso, a capacidade de carga da ponte mudasse com base em como a ponte se sentisse sobre si mesma, sobre o que estava fazendo e o que todas as outras pontes dissessem sobre ela? Isso tornaria muito difícil ser um engenheiro de ponte. A ponte autodepreciativa pode quebrar na primeira rajada de vento, enquanto a ponte autocrítica pode rir na cara de terremotos, mesmo que todas as outras variáveis de entrada sejam idênticas.

Por mais reconfortante que seja pensar que podemos controlar todas as variáveis, muitas vezes há pouca explicação além do conceito amorfo de "estresse".

O mesmo enigma é enfrentado por muitos corredores, com insumos e resultados conectados por um labirinto imprevisível de variáveis internas difíceis de medir. Coletivamente, essas variáveis internas podem ser caracterizadas como estresse: qualquer coisa, desde uma carga de treinamento elevada causando fadiga, uma vida agitada causando níveis elevados do hormônio cortisol, a variabilidade do ciclo menstrual ou um relógio GPS inquisidor.

Curiosamente, vejo fenômenos relacionados ao estresse o tempo todo ao treinar atletas. Meus exemplos favoritos envolvem "zonas mortas de GPS" onde os relógios mostram consistentemente ritmos mais rápidos, como alguns treinos em pista, ou mais lentos, geralmente em áreas florestadas ou trilhas com muitos zigue-zagues. Na minha experiência, os corredores nas zonas rápidas melhoram mais rapidamente do que aqueles nas zonas lentas, provavelmente porque lidam com menos estresse negativo em sua corrida.

Se eu fosse um competidor no Shark Tank, mostraria um relógio GPS que informa aos corredores que eles estão 20 segundos por km mais rápido do que estão.

"Mas eles não estão realmente indo mais rápido", pode dizer Mark Cuban. "Você está mentindo".

"Eles não estão realmente indo mais rápido ainda", eu responderia. "Espere seis meses".

Lesões

Eu também vejo isso sobre lesões e saúde. Um atleta pode estar passando por um período estressante no trabalho, um divórcio ou a morte de um animal de estimação e, de repente, uma lesão aparece. Em alguns casos, é uma doença física diagnosticável, provavelmente causada pelo aumento do estresse que torna o corpo menos capaz de absorver o estímulo do treinamento. Mas eis o que é realmente interessante: às vezes, o atleta fará uma ressonância magnética cujo resultado está totalmente sem doenças, apesar da dor intensa. Em algumas ocasiões, a dor desapareceu quando os resultados positivos da ressonância magnética voltaram. Em outros, a dor intensa desapareceu depois que o estresse passou.

A dor psicossomática pode estar desempenhando um fator importante quando há manifestações físicas de batalhas mentais. Mas dar-lhe um rótulo pode estigmatizá-la. Saiba que todos nós passamos por isso até certo ponto, mesmo que seja apenas pernas mais revigoradas após uma promoção ou pernas doloridas após uma apresentação de baixa qualidade.

Já vi treinos milagrosos depois que os corredores ficarem noivos, treinos terríveis quando um atleta está angustiado com o trabalho, aumento de condicionamento físico a longo prazo em uma época de contentamento espiritual e tudo mais. Por mais reconfortante pensar que podemos controlar todas as variáveis, muitas vezes há pouca explicação além do conceito amorfo de "estresse".

Não há respostas universais para o problema do estresse

A equação de estresse é complicada. O estresse influencia como você se sente ao começar um treino, como seu corpo se comporta durante e como ele se adapta após o treino.

Alguns mecanismos psicológicos subjacentes são provavelmente semelhantes aos discutidos na semana passada, relacionados ao diálogo interno positivo. Talvez uma auto fala edificante ou relaxada contribua para corridas diárias melhores ao reduzir o esforço percebido, o que, por si só é um ponto-chave suscetível a várias variáveis diferentes), o que contribui para uma melhor corrida ao longo do tempo.

Além disso, conforme teorizado por Kiely e mostrado em circunstâncias mais restritas em muitos estudos, o contexto neurobiológico do treinamento muda como a fisiologia funciona. Se houver um excesso de estresse negativo, isso pode levar a resultados negativos, independentemente do que o atleta realmente faz no treinamento.

Isso tudo soa um pouco sem sentido, eu entendo. No entanto, a mensagem é simples: pense no estresse, mas não tanto para que isso estresse você. Cada km não é criado igualmente para um único atleta ao longo do tempo, muito menos para comparação entre os atletas. Com isso em mente, aqui estão cinco coisas rápidas para lembrar ou experimentar:

Não tente fazer o treinamento de alguém que tem uma vida diferente

Um corredor profissional pode ficar dormindo o dia todo enquanto você dorme 4 horas por noite. O corredor na rua pode fazer um trabalho chato de escritório enquanto você faz trabalhos manuais. Caramba, seu concorrente pode naturalmente lidar com os mesmos estresses de forma diferente do que você, com a rede neurológica definida para Matthew McConaughey, enquanto a sua está definida para Gilbert Gottfried. Portanto, dê-se um pouco de folga e não se compare. Como diria McConaughey, você ficará bem, certo, certo.

Monitore o estresse ao longo do tempo.

Rastrear o humor e as emoções pode ajudá-lo a determinar o quão pronto seu corpo está para um aumento de treinamento ou você pode descobrir que se sai melhor em um estado onde está lidando com bons estressores que o mantêm focado.

Normalmente, o estresse é subjetivo, mas algumas pessoas apostam na variabilidade da frequência cardíaca, uma ferramenta meio controversa, que mede as mudanças na duração entre os batimentos cardíacos. Você também pode usar a frequência cardíaca em repouso no período da manhã. Lembre-se de que mesmo com essas métricas, a forma como se aplicam a você pode ser diferente de como se aplicam a outras pessoas.

Encontre técnicas de relaxamento que funcionem para você

Algumas pessoas adoram meditação, algumas gostam de ler, outras gostam de Netflix e relaxar. Para todos, quanto mais dormirem, melhor. Apenas certifique-se de não elevar o estresse constante como uma virtude a ser cultivada, como verá em muitos grandes escritórios de advocacia ou universidades.

Se você usa GPS, considere esconder a quilometragem do mostrador

Suas corridas devem ser independentes do que o relógio está dizendo sobre elas. O GPS pode adicionar propósito ao treinamento, fornecer alguns dados divertidos para ler e até mesmo ajudá-lo a fazer mais memórias por meio de um instantâneo digital. No entanto, peço aos atletas que não estejam ligados nos segmentos de kms e façam quase todos os intervalos por tempo em vez de distância. E se você não consegue separar o que o relógio diz de sua percepção da corrida e de você mesmo, descarte-o completamente.

Pense em termos de meses e anos, não de dias e semanas

O corpo é complicado, o que faz sentido, porque a vida e o universo são complicados. Se o corpo lidasse com o estresse de uma forma direta e previsível, seria totalmente diferente do que sabemos da existência. A imprevisibilidade é especialmente evidente se você ampliar e visualizar o treinamento em pequena escala. ótimos treinos podem surgir do nada, assim como lesões e episódios de choro de três horas e as piores corridas de toda a sua vida. Há muito ruído misturado a um pequeno sinal.

Em vez disso, diminua o zoom. Tente ver seu treinamento de corrida sob o prisma do estresse de longo prazo. Preste atenção em como você realmente se sente, e não apenas fisicamente. E lembre-se de sorrir tanto quanto possível. Não há estudos sobre como sorrir afeta o desempenho, mas sabemos que sorrir melhora a economia de corrida. Assim, por meio de uma pequena extrapolação sobre o que sabemos sobre estresse e sorriso, sorrir pode ser o treino mais produtivo que você pode fazer.
Traduzido do site PodiumRunner.com

Fonte: PodiumRunner.com

Leia mais sobre: cérebro, mental

Copyright - Marcelo Coelho