Coelho Dizeres Computador
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

O regenerativo pode não ser pro que você pensa
Enviar por email Compartilhe no Twitter

quinta-feira, 14 de junho de 2018 - 09:55
recovery runningFala, galera!

Quem já passou por uma corrida em que deu o seu melhor ou aquele longão sinistro, certamente já ouviu falar de treino regenerativo.

Reza a lenda que ele serve para ajudar o seu corpo a se recuperar daquele longão matador ou da Maratona "pra morte", certo?

Bem, pode não ser isso. Pelo menos assim acredita Callum Jones, autor do artigo que traduzi do excelente site Traininkenya.com e que passou por treinamento de corrida no próprio Quênia.

Hein? Mas então a corrida em ritmo lento serve pra quê?

É o que vamos descobrir, dando aquela lidinha básica. Vamos lá? mrgreen
Uma pequena vila chamada Iten, na área rural do Quênia, produziu alguns dos melhores corredores de longa distância da história do esporte. Campeões olímpicos, recordistas mundiais e atletas profissionais fazem deste o seu campo de treinamento. Não é incomum encontrar alguém na rua que possa falar casualmente sobre sua maratona em 2:08 ou menos, estando longe de se gabar, ou ver um grupo ou 20 atletas treinando na pista, todos com sub-28 minutos nos 10k no nome.

Surpreendê-lo-ia então ver estes mesmos atletas correrem nas pistas de terra a 5:35 por km?

Ouvimos histórias de atletas do Quênia correndo bem acima de 160 km por semana, mas embora isso seja verdade para muitos indivíduos, ainda há um consenso esmagador de que a qualidade bate a quantidade. Para treinar melhor, o corpo deve estar em boas condições físicas e os quenianos estão bem cientes desse fato. Um aspecto que eles acreditam ser um fator importante é a recuperação, e isso é levado muito a sério.

O que é uma corrida de recuperação?

Quando você treina em alta intensidade, seus músculos acumulam lactato sanguíneo, um subproduto da respiração anaeróbica. Apesar de não nos aprofundarmos na ciência durante este artigo, é importante entender que o treinamento duro cobra seu preço ao corpo e que sem ter tempo para se recuperar é extremamente difícil se adaptar às tensões do exercício que levam à fadiga, exaustão e, finalmente, à lesão, para não mencionar que você não estará recebendo os benefícios do treinamento duro de maneira nenhuma.

Uma corrida de recuperação é relativamente curta em um ritmo muito confortável - geralmente bem abaixo de 60% de sua FC máxima. Estas têm vários benefícios, mas podem não ser os que você pensou. É comumente ensinado que as corridas de recuperação ajudarão na remoção de produtos residuais do corpo após um treinamento intenso, no entanto, há, de fato, muito pouca evidência científica apoiando isso. Estudos demonstraram que mesmo após treinos extremamente cansativos, quase 100% do excesso de lactato acumulado é metabolizado ou removido do corpo dentro de 1 hora após o treino. Também não houve qualquer pesquisa que indique que as corridas de recuperação promovam o reparo de tecidos danificados, restaurem as reservas de glicogênio nos músculos ou provoquem qualquer outra resposta fisiológica que auxilie o processo de recuperação…

Então, qual é o ponto?
  • A aproximadamente 60% da FC máxima, seu coração atinge seu volume máximo de contração. Isso significa que, apesar de correr com uma taxa significativamente reduzida de gasto de energia, o músculo cardíaco está se contraindo com tanta força quanto possível em cada batida. Mesmo nesse ritmo fácil, você está treinando o músculo cardíaco sem cansar o resto do corpo.

  • Em nível celular, correr nesse ritmo estimula o crescimento das mitocôndrias (a organela responsável pela produção de energia), aumenta a capacidade capilar e a capacidade de fornecer oxigênio aos músculos.

  • Existem também vários benefícios neuromusculares. Embora você veja a corrida como uma tarefa em que você não precisa "pensar", seu cérebro ainda está no controle de seus membros. Correr em um ritmo lento permite desenvolver vias neuromusculares, concentrando-se na técnica de corrida correta.
Acho que o terceiro ponto acima tem particular relevância para a cultura queniana. Não é coincidência que os quenianos que você vê na TV pareçam tão fluentes e graciosos na maneira como se movem. Tome o recorde mundial de David Rudisha nos 800m como exemplo. Ele deu duas voltas da pista sem perder a postura. Certamente ele estava dando duro, mas certamente não parecia. Os quenianos usam suas corridas lentas para trabalhar em sua postura. Eles estão conscientemente pensando durante a corrida, em como seus pés entram em contato com o chão, como se sentem ao respirar, onde seus braços estão posicionados, como estão mantendo a posição de suas cabeças, etc. É muito difícil considerar essas coisas quando se está fazendo uma corrida difícil, mas quando chegar a hora de correr rápido, você não precisará pensar nesses aspectos, pois eles estarão enraizados em seu sistema.

O ponto de vista dos especialistas:

Em dezembro passado, participei de uma corrida com os caras da St Patricks High School, em Iten. Cheguei sem saber o que seria o treino. No entanto, tendo ouvido histórias terríveis sobre o quão rápido esses caras eram, eu estava muito nervoso. O que se seguiu foi muito surpreendente. Fizemos como aquecimento alguns jogos de reação que envolviam saltar por cima de uma linha pintada no chão e segui-la com uma corrida de 25 minutos, em fila única em torno de um campo de futebol a 7:30 minutos por km. O lendário treinador, Brother Colm O 'Connell, liderava a sessão e eu perguntei qual era o objetivo. Caso contrário, senti que perderia uma oportunidade de treinar duro entre alguns dos melhores corredores do mundo. Ele respondeu: "É para você pensar". Eu era capaz de pensar sobre onde meus pés estavam pousando e como eu estava correndo em comparação com o cara na minha frente, como minha respiração soava quando comparada à do cara atrás de mim.

É claro que esses caras trabalham muito duro na hora de fazê-lo, mas também dedicam tempo para pensar em seus corpos, algo que é frequentemente negligenciado na cultura ocidental de treinamento!

Portanto, a mensagem para levar para casa pode ser que essas corridas em si não possam influenciar diretamente a 'recuperação', mas permitem que você continue melhorando sua forma física e trabalhando em sua forma de correr, enquanto passa pelo processo de recuperação natural. O que me leva a perguntar, se você pode continuar a melhorar sem comprometer sua recuperação, por que não?
E você, como vê a corrida regenerativa? Me conta aí nos comentários! mrgreen

Abraços e beijos a todos e até a próxima!

Fonte: TraininKenya.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: corrida, treino regenerativo

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho